Braga Netto ‘prometeu interferir a nosso favor’, diz general em mensagens obtidas pela PF

O general Paulo Roberto Correa Assis, alvo de buscas da Polícia Federal na operação Perfídia, trocou mensagens com investigados nas quais prometia uma “interferência” do então interventor na segurança do Rio de Janeiro, Walter Souza Braga Netto, em favor do grupo.

A operação deflagrada nesta terça-feira (13) investiga suposta fraude na compra de coletes balísticos durante a intervenção federal na segurança do Rio, durante o governo Michel Temer.

As mensagens obtidas pelo blog compõem o inquérito e o pedido da PF, aceito pela Justiça e que resultou nos mandatos desta quarta.

A Polícia Federal descreve o general Paulo Assis como alguém “contratado pelo grupo para fazer lobby, junto ao alto escalão do governo”.

Segundo as investigações, “o general sempre vangloriava de sua amizade com o vice-presidente, General Hamilton Mourão e do General Braga Netto, Chefe do Estado-Maior do Exército e, em seguida, Ministro-Chefe da Casa Civil do Brasil”.

Em uma das mensagens em poder da investigação, de dezembro de 2019, o general escreve: “Almocei com o Gen Braga Netto, que me prometeu interferir a nosso favor. Portanto tudo bem encaminhado”.
Segundo os investigadores, o objetivo da contratação do general Paulo Assis “nunca foi a eventual expertise na atividade de consultoria”.

O inquérito afirma que o general era atrativo para o grupo pelo “poder de influência para que algum ato seja praticado por servidor público no interesse da organização criminosa”.

Ou seja: segundo a PF, na prática, o papel de Paulo Assis na contratação era justamente o de fazer esse “lobby” junto a autoridades para reverter a suspensão do contrato e, com isso, efetivar a compra fraudada dos coletes balísticos.

Já ministro, Braga Netto continuou a manter contato com investigados por corrupção na intervenção federal no RJ
A PF investiga crimes de contratação indevida, dispensa ilegal de licitação, corrupção e organização criminosa na contratação da empresa americana CTU Security LLC para aquisição de 9.360 coletes balísticos com sobrepreço de R$ 4,6 milhões. O acordo acabou cancelado, e o valor, estornado.

E-mail reforça mensagem
No dia seguinte, o general envia uma mensagem para o e-mail oficial da pessoa responsável pelos pareceres do processo de compra dos coletes, Jorge Menezes.

Em razão da intervenção federal, Menezes era vinculado diretamente à Presidência da República e usava um e-mail “@presidencia.gov.br”.

Na mensagem, ele repete o que já havia dito no dia anterior – que havia almoçado com Braga Netto, à época ministro da Casa Civil de Jair Bolsonaro, e que o militar teria prometido “uma força”.

“Prezado Dr Jorge, estive num almoço na sexta-feira passada com o Gen Braga Netto e comentei sobre a liberação dos coletes de proteção balística para a Polícia do RJ, em estudo nesta Casa Civil da PR. Ele disse que iria dar uma ‘força’ junto ao Sr para atender ao que pleiteamos”, diz a mensagem.

By Ellba Dark

Deixe um comentário

Em Alta